Cloro pode baratear custo das telas de OLED

sábado, 16 de abril de 2011



(Fonte da imagem: Tobias G.)

A American Association for the Advancement of Science (AAAS), organização internacional sem fins lucrativos que promove atividades para o desenvolvimento da ciência, publicou ontem (14/04) um estudo afirmando que o cloro pode ser a solução para baratear o custo de produção das telas OLED.

O OLED surgiu para assumir o lugar da tecnologia LED, prometendo melhor desempenho por um menor preço. Entretanto, o alto custo de produção dos monitores e televisores dotados com OLED, devido ao valor do óxido de índio e estanho, barrou o seu desenvolvimento e popularização.

O estudo, realizado em parceria pela Universidade de Toronto (EUA) e a Universidade de Yunnan (China), explica que os três níveis de óxido de índio e estanho utilizados no processo atual podem ser reduzidos a uma única camada, misturando essa substância a um produto de limpeza à base de cloro e atingindo-a com luz ultravioleta.

A redução do número de camadas na fabricação das telas (que passaria de 5 a 6 para 2 a 3) impacta no tempo de produção e quantidade de matéria-prima. Com isso, a espessura dos gadgets deve diminuir e as telas de OLED poderiam reproduzir imagens com mais detalhes.

Fonte: Baixaki

 
© 2009 | MALINUS | Por Templates para Você